Apr
22
2014

13 coisas para se lembrar quando a sua vida estiver difícil

fonte: http://bit.ly/1iFyXnB

As coisas perderam o sentido para você? Aqui estão algumas dicas que podem ajudar

Todos nós passamos por momentos difíceis. No entanto, alguns passam por esses momentos difíceis melhores do que outros. Então, qual é o segredo? A maior parte tem a ver com atitude. Então, aqui estão 13 coisas para se lembrar quando a vida ficar difícil.

#1. As coisas são o que são

O famoso ditado de Buda nos diz que “é a nossa resistência às coisas que causa nosso sofrimento”. Pense nisso por 1 minuto. Isso significa que o nosso sofrimento só ocorre quando resistimos às coisas como elas são. Se você pode mudar alguma coisa, então aja em conformidade. Mude. Mas, se você não pode mudar, então nos restam 2 opções:

  • Aceitar e deixar a negatividade para lá.
  • Nos tornarmos miseravelmente obcecados com o sofrimento.

#2. Se você acha que tem um problema, você tem um problema

Muitas vezes nós somos o nosso pior inimigo. A felicidade depende realmente de nossa perspectiva. Se você acha que algo é um problema, então seus pensamentos e emoções serão negativos. Mas você acha que está passando por algo que pode aprender, então, de repente, isso não é mais um problema.

#3. A mudança começa em você mesmo

O seu mundo exterior é um reflexo do seu mundo interior. Você não conhece pessoas que as vidas são caóticas e estressantes? E não é verdade que, em grande parte elas se sentem assim por dentro? Nós gostamos de pensar que as mudanças em nossa rotina nos mudam. Mas, dando um passo atrás, precisamos mudar a nós mesmos antes que as circunstâncias mudem.

#4. Não existe aprendizagem maior do que falhar

Você deve eliminar a palavra fracasso de seu vocabulário. Todas as grandes pessoas que já alcançaram alguma coisa falharam. Thomas Edison disse algo como “eu não falhei em inventar a lâmpada, eu encontrei primeiramente, 99 maneiras de que a ideia não funcionava”. Tire as chamadas falhas do caminho e aprenda alguma coisa com elas. Depois disso, aprenda como fazer melhor da próxima vez. Lembre-se que falhar é uma lição de aprendizado. Lembre-se que falhar é uma lição de aprendizado.

#5. Se algo não acontece como planejado, significa que o melhor aconteceu

Isso é bem difícil de acreditar, mas é a mais pura verdade. Normalmente, quando olhamos para trás em nossa vida, somos capazes de ver por que essa era a melhor alternativa. Talvez o trabalho que você não conseguiu teria feito você passar mais tempo longe da sua família, e o que você conseguiu era mais flexível. Apenas tenha fé que tudo acontece exatamente do jeito que deveria.

#6. Aprecie o presente

Este momento nunca voltará. E há sempre algo preciso a cada momento. Então não deixe passar por você em branco. Em breve será apenas uma lembrança. Mesmo que momentos que não parecem felizes possam ser encarados como algo que você pode perder, algum dia.

#7. Deixe o desejo de lado

A maioria das pessoas vivem com a mente anexada a desejos. Isso significam que nossas mentes ficam ligadas a um desejo e quando não realizamos esses desejos, nossas emoções despencam em negatividade. Em vez disso, tente praticar uma mente isolada. Isso significa que, quando você quer algo, você ainda será feliz conseguindo ou não. Faça com que suas emoções permaneçam felizes ou neutras.

#8. Compreenda e seja grato por seus medos

O medo pode ser um grande professor. E vencer o medo também pode fazer você se sentir vitorioso. Por exemplo, muita gente tem medo de falar em público (esse é um dos 3 principais medos dos seres humanos). Então, quando você perder o medo e conseguir falar de maneira bem humorada na frente de todos, vai se sentir vitorioso. Superar seus medos requer apenas prática. O medo é apenas uma ilusão e, acima de tudo, é opcional.

#9. Experimente a alegria

Acredite ou não, muitas pessoas não deixam de se divertir com o que acontece ao seu redor. E, muitas vezes essas pessoas nem sabem porque se divertem nessas situações. Algumas pessoas são realmente viciadas em seus problemas e o caos envolvido nisso tudo faz com que eles nem saibam quem são. Portanto, permita-se ser feliz. Mesmo que seja apenas por um breve momento, é importante se concentrar em alegria, e não em dificuldades. Não tenha medo de experimentar a alegria. Não tenha medo de experimentar a alegria.

#10. Não se compare com os outros

Mas se você se comparar, compare com quem tem menos do que você. Está desempregado? Seja grato por viver em um país que dá seguro desemprego, porque a maioria das pessoas do mundo vivem com menos de 750 dólares ao ano. Você não se parece com a Angelina Jolie? Acredito que existem mais pessoas que não se parecem do que pessoas que parecem.

#11. Você não é uma vítima

Você precisa parar de ver tudo pelo seu próprio ponto de vista. Você é apenas uma vítima de seus próprios pensamentos, palavras e ações. Ninguém faz alguma coisa contra você. Você é o criador de sua própria experiência. Assuma a responsabilidade pessoal e perceba que você pode sair de suas dificuldades. Nós só precisamos começar a mudar pensamentos e ações. Abandone a sua mentalidade de vítima e torne-se um vitorioso.

#12. Tudo muda

E isso também vai passar. Quando estamos presos em uma situação ruim, pensamos que não há nenhuma maneira de resolver os problemas. Achamos que nada vai mudar. Mas uma hora tudo muda. Nada é permanente, exceto a morte. Então, saia do hábito de pensar que as coisas serão sempre assim. Elas não serão. Mas você precisa agir para que as coisas mudem. Isso não vai acontecer magicamente por conta própria.

#13. Tudo é possível

Milagres acontecem todos os dias. E realmente eles acontecem. Confie e acredite que tudo é possível. Coisas incríveis acontecem o tempo todo. Você só precisa acreditar nisso e, agir em conformidade. Uma vez que você fizer isso, você já ganhou a batalha. ___ Este artigo foi adaptado do original, “13 Things to Remember When Life Gets Rough”, do Lifehack.

0
Apr
08
2014

Você importa alguma coisa? Prepara-se!

Taxação

Taxação

Obviamente que o governo está sempre “preocupado” com a nação e com a economia do Brasil. Tão preocupado que recentemente saiu uma notícia de que a Receita Federal vai fechar o cerco de quem compra de fora do país usando um cartão de crédito, tipo, coisas da China mesmo. Afinal de contas, comprar da China vale muito a pena em diversos casos.

http://bit.ly/1hXZMTM

Mas porque estou escrevendo isso? Apenas para mostrar a minha indignação sobre o quanto eu acho que o governo é despreparado no que diz respeito a encontrar soluções para girar a economia, preocupar-se com o mercado interno e recolher impostos.

Primeiramente, sempre achei que o governo toma o caminho contrário para incentivar o mercado interno. Ou seja, ao invés de incentivar a população para comprar do mercado interno, a receita decidi encontrar meios de incomodar quem comprar de fora do país para cobrar mais impostos. Na minha opinião o caminho deveria ser justamente o contrário! Não estou falando de incentivar a importação, mas sim incentivar o produtor nacional a criar produtos similares com preços acessíveis.

Ao invés de cobrar mais da importação, porque não reduzir impostos nacionais incentivando o empreendedorismo para que pessoas abram empresas e desenvolvam o produto?

Porque não dar condições do brasileiro de comprar produtos nacionais a preços competitivos com os produtos importados?

Todos sabemos que o poço do imposto brasileiro é sem fundo. E cada vez torna-se mais difícil e mais burocrático ter uma empresa no Brasil ou ainda viver no Brasil com a simples possibilidade de comprar o que você bem entender com o dinheiro que você trabalhou tanto para conseguir. Daqui a pouco o governo vai instituir que você deve comprar em lojas mantidas pelo governo para que eles tenham total controle do que você gasta com o SEU dinheiro. E não estou falando de Cuba.

0
Feb
18
2014

Dietas com shake pode?

Recentemente saiu uma reportagem (http://glo.bo/1h1VU1e) que foi bastante compartilhada na rede social, onde uma mulher havia “perdido” o movimento das pernas depois de fazer uma dieta com shake por 8 meses. Perder o movimento das pernas e não conseguir andar foi consequência da falta de vitamina B1, segundo especialistas após analisar os exames médicos.

Esse tipo de notícia sempre gera polêmica, afinal de contas, existem vários shakes no mercado. Você pode comprar no supermercado, na farmácia ou com um distribuidor Herbalife. E a questão que eu gostaria de colocar é o motivo que levou essa mulher a decidir por fazer tal dieta, que é perder peso.

Muita gente entra para o programa de shakes para perder peso. Entretanto não existe milagre. Você não conseguirá simplesmente perder peso. Você precisa mudar alguns hábitos começando com a alimentação. Pelo que pude entender da reportagem essa mulher decidiu simplesmente tomar o shake e o chá (que é também a recomendação da Herbalife) mas sem nenhum apoio médico. Além disso ela decidiu que iria beber apenas líquidos, ou no caso, o shake e o chá. Não existe milagre!

A recomendação não é abandonar a comida. A recomendação é balancear as refeições incluindo o shake e o chá para ajudar no processo. Tomar o shake ajuda. E tomar o chá ajuda também. Mas é preciso ter cautela e observar as mudanças no corpo. Além de tomar o chá e o shake você precisa também balancear as refeições com comida saudável e equilibrada, e adicionar exercícios físicos.

herbalife-distribuidorQuando me perguntam sobre como perder peso, minha recomendação é ponderar e adaptar a rotina para consumir o shake substituindo refeições, mas continuar fazendo alimentando-se. Se a pessoa não tem o hábito de jantar ou tomar o café da manhã pode substituir essas refeições pelo shake e então almoçar cuidando com o que vai pro prato, afinal de contas não adianta nada comer meia lasanha. Adicionar o chá entre as refeições e consumir também algo que ajude no processo de digestão e absorção de nutrientes, permitindo ao corpo absorver o máximo de nutrientes e vitaminas possíveis, já que a quantidade de comida será reduzida.

Entretanto muitas pessoas, em busca de resultados rápidos e imediatos acabam não esperando o tempo necessário para se adaptar a uma nova realidade. Tomar o shake e o chá não dá resultado em 1 semana. Sem exercícios e sem alimentar-se corretamente os resultados são mais demorados. Por isso é preciso usar o bom senso.

Pode parecer contraditório, vender Herbalife e pensar dessa forma. Mas sempre digo que o melhor do Herbalife é permitir às pessoas uma mudança de hábitos de uma maneira um pouco mais fácil. Sendo a mudança menos drástica a pessoa conseguirá alterar sua rotina a ponto de alimentar-se adequadamente e realizar exercícios regulares a até não depender maias do shake ou do chá. É a mudança do hábito que faz a pessoa alcançar o objetivo de perder peso.

 

0
Feb
10
2014

Herbalife diariamente

herbalife-distribuidorPois então, entrei nessa. Sou um distribuidor independente Herbalife. Fiz o cadastro e comecei a fazer o controle com o objetivo de perder peso.  E tem funcionado para mim. Já reduzi o peso e nem mudei muito meu dia a dia. Continuo bebendo a minha cerveja, comendo algumas bobagens. Ou seja, não cortei a alimentação. Apenas decidi utilizar alguns produtos herbalife sem cortar nada da minha alimentação.

Pra não dizer nada, neste mês de Fevereiro/2014 decidi que não beberia mais refrigerantes e a cerveja ficaria só para o final de semana. Mas fora isso, continuo comendo pizzas, lanches, porções, churrasco, etc.

Mas o objetivo dessa publicação não é falar das mudanças alimentares. É para falar das contas que eu fiz. Eu como sempre gostei de fazer umas contas matemáticas resolvi calcular quanto custaria um dia com todos os produtos Herbalife. E confesso que fiquei um pouco surpreso.

A conta é simples e vou explicar como as fiz. Mas antes vou enumerar as sugestões diárias para quem deseja “cuidar da saúde” com Herbalife, levando em consideração que o objetivo é a perda de peso.

1) Para perder peso, recomenda-se beber o Shake 2x por dia substituindo 2 das 3 principais refeições diárias, adicionando ao preparo do Shake a Proteína de Soja e adicionando a cada refeição o Fiberbond que ajuda no processamento dos alimentos;

2) Para manter a hidratação, a recomendação é beber 2x por dia o Chá Termogênico e também 1x o NRG, que é o energético;

3) Para controlar o ritmo intestinal recomenda-se o Fiber & Herb a cada refeição para ajudar no funcionamento do intestino, e o Fiber Concentrate 1x ao dia para ajudar o ritmo intestinal;

4) Para complementar a “dieta” recomenda-se a ingestão da Multivitaminas 1x ao dia, do Ômega 3 1x ao dia e do Xtra-Cal 1x ao dia;

5) E para finalizar, entre as refeições recomenda-se a ingestão da barra de proteína, pois assim ao chegar no horário da refeição você não estará morrendo de fome e comerá de forma mais adequada.

Temos aqui então 5 itens que representam um dia de consumo da Herbalife. Enumerando cada tópico, teremos:

  1. Shake, Proteína e Fiberbond
    • 2 porções (20 g cada) de Shake;
    • 2 porções (10 g cada) de Proteína;
    • 3 porções (2 tabletes cada) de Fiberbond;
  2. Chá Termogênico e Energético
    • 2 porções (2 g cada) de Chá Termogênico;
    • 1 porção (2 g) de Energético NRG;
  3. Fiber & Herb e Fiber Concentrate
    • 3 porções (2 tabletes cada) de Fiber & Herb;
    • 1 porção (15 ml) de Fiber Concentrate;
  4. Multivitamina, Ômega 3 e Xtra-cal
    1. 1 porção (2 tabletes) de Multivitamina;
    2. 1 porção (1 tablete) de Ômega 3;
    3. 1 porção (1 tablete) de Xtra-Cal;
  5. Barra de proteína
    1. 2 porções (1 barra cada) de Barra de Proteína.

Assim vemos então de cada item o que deverá ser consumido. Fiz então as contas dividindo o preço do produto pela quantidade de porções que a embalagem proporciona e multipliquei pela quantidade de porções diárias necessárias. Dessa forma gerei a seguinte tabela:

Tabela Diária

Então se quisermos usar todos os produtos da Herbalife durante 1 dia, gastaremos aproximadamente R$ 50 reais. Porque eu fiquei surpreso? Porque achei que o valor seria muito maior. Se pensarmos que não precisamos levar a ferro e fogo e que podemos escolher o que queremos gastaremos menos que R$ 50 reais por dia. E lembrando que dessa forma estamos substituindo 2 refeições por dia, que na média gastamos cerca de R$ 15 – R$ 20 reais por refeição comendo em um restaurante normal. Tudo bem, não comemos 3 refeições fora de casa. Geralmente o almoço é em um restaurante, o café da manhã e a janta é em casa. Mas o cálculo não fica muito longe disso. Digamos que R$ 15 reais para o almoço no restaurante, R$ 5 reais para o café da manhã em casa e mais R$ 5 reais para a janta em casa. Entretanto há dias que o café da manhã sai mais caro, e a janta também, principalmente quando pedimos algo para ser entregue.

Bom, as duas refeições são substituídas no primeiro tópico, que segundo a tabela, fica em torno de R$ 20 reais por dia, praticamente o valor de apenas 1 refeição. As bebidas são recomendas para manter a hidratação do corpo, então podemos somar mais R$ 10 reais, chegando então a R$ 30. Se não há problemas intestinais podemos poupar o item 3. O item 4 é relativo, porque se você faz o shake com leite o Xtra-cal pode não ser necessário. E se você não tem nenhuma deficiência com o Ômega 3 ou com vitaminas e minerais também poderia deixar o item 4 de fora, apesar de que R$ 3 reais não é um valor tão significante. E por fim a barra de proteína que eu acho um pouco cara e que na minha opinião pode facilmente ser substituída por uma fruta, por uma barra de cereal light ou ainda por umas 2 ou 3 bolachas salgadas. Assim, o totaliza em aproximadamente R$ 30 – R$ 35 reais por dia, que é o que se gastaria em duas refeições diárias.

Minha conclusão então é que, apesar de parecer caro num primeiro momento, estamos falando de mudar hábitos alimentares e melhorar nosso dia a dia buscando oportunidades que se encaixem em nossas rotinas. Além de perder peso quero também me acostumar a uma rotina adequada para me alimentar, e por enquanto estou conseguindo. Não é fácil organizar, mas é possível com um pouco de esforço.

Abraço, e espero que essa informação seja interessante para quem também está experimentando a Herbalife.

Abraço 

1
Feb
07
2014

4 passos para superar a insegurança e a desmotivação

fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/4-passos-para-superar-a-inseguranca-e-a-desmotivacao/75194/

4 passos para superar a insegurança e a desmotivação

Pequenos truques para a mente que podem ter verdadeiros efeitos na realidade

Hoje pela manhã não tive vontade de fazer coisa alguma. Isso é uma combinação do cansaço de alguns dias de trabalho pesado com a falta de sono da noite passada. Não consegui me motivar a fazer nada importante esta manhã, o que é raro para mim. E, no geral, me senti mal. Comecei a duvidar de mim mesmo e questionar se algo do que faço realmente vale a pena.

Eu me sentei e comecei a me perguntar como poderia sair disso. Deveria apenas esquecer tudo sobre hoje? Deveria apenas desistir do que faço, porque não sou bom como pensava que era?

Isso era o que eu definitivamente estava considerando. Mas eu sabia que essa suave depressão era temporária, e então pensei em possíveis soluções. Então, algumas delas realmente funcionaram – pequenos truques para a mente que podem ter verdadeiros efeitos na realidade.

Aqui está o que fiz e que funcionou, na esperança de que isso talvez ajude você se essas sensações aparecerem.

1. Parei de ser tão egoísta

Acho que todos nós temos a tendência de nos colocarmos no centro do universo e ver tudo através do ponto de vista de como algo nos afeta. Mas isso pode ter todos os tipos de efeitos, desde sentir pena de nós mesmos quando as coisas não estão acontecendo exatamente como nós gostaríamos, até duvidar de nós mesmos quando não somos perfeitos. Então, em vez de se preocupar tanto comigo, pensei nas outras pessoas que eu poderia ajudar.

Encontrar pequenas formas de ajudar outras pessoas me faz parar de ter pensamentos egocêntricos e então não fico me afogando em pensamentos de auto piedade – estou pensando no que os outros precisam. Não estou duvidando de mim, porque o fato de eu ser bom o suficiente (ou não) não é mais o problema central. A questão central agora é o que os outros necessitam. Então, pensar nos outros em vez de em mim soluciona a minha insegurança e auto-piedade.

2. Abandonei minha identidade

Todos nós temos essa imagem, essa ideia do tipo de pessoa que somos. Quando essa ideia é ameaçada, podemos reagir de forma muito defensiva. As pessoas podem questionar se fizemos um bom trabalho, e isso ameaça nossa ideia de competente e então podemos ficar bravos ou magoados com as críticas. Alguém pode acusar você de mentir e isso ameaça a ideia de que você é uma boa pessoa, e então você pode ficar bravo e atacar a outra pessoa. Minha identidade de alguém que é motivado, produtivo e que tem boas ideias estava sendo ameaçada hoje de manhã. Quando eu não estava sendo produtivo, isso me desesperou porque estava preocupado com a possibilidade de que não fosse quem eu pensava que era.

Minha solução foi perceber que não sou uma coisa. Não sou sempre produtivo – algumas vezes sou um pouco preguiçoso. Não sou sempre motivado – algumas vezes sou, mas outras vezes não tenho vontade de trabalhar. Nem sempre tenho boas ideias. Posso ser muitas coisas e então essa identidade minha se tornou mais frágil. E então não importa se alguém pensa que preciso fazer um bom trabalho – porque nem sempre faço um bom trabalho. Cometo erros e sou menos do que perfeito. E isso é perfeitamente normal.

3. Lembrei que esses dias contam

Tenho apenas mais tantos dias na Terra. Não sei quantos dias são, mas sei que é um número muito limitado. Sei que cada um desses limitados dias é um presente, uma benção, um milagre. E que desperdiçar esse milagre é um crime, uma horrível falta de apreciação pelo que me foi dado. E então lembrei a mim mesmo que essa manhã conta. Que eu deveria fazer alguma coisa com ela.

Isso não significa que preciso trabalhar até cansar, digitar até os meus dedos virarem meros tocos, mas que eu deveria fazer algo que valesse a pena. Às vezes, fazer uma pausa para se alimentar é uma atividade que vale a pena, porque isso permite que você faça outras coisas que valem a pena, em vez de ficar sentado com sua auto piedade. Então, me levantei e fiz alguma coisa.

4. Criei um movimento

Pode ser difícil começar a se mover quando você está preso. Isso é como me senti em 2005, quando eu não podia mudar nenhum dos meus hábitos. Era realmente muito difícil me motivar quando não pensava que iria ter sucesso, quando me sentia horrível sobre mim mesmo. Mas dei um pequeno passo, e isso foi ótimo. Foi isso o que fiz essa manhã – dei o menor passo possível.

Apenas abrindo um arquivo, apenas começando uma lista, apenas pegando o notebook. Esses passos são tão pequenos, são insignificantes, mas também são fáceis e possíveis. E isso me mostrou que o próximo passo era possível, assim como o próximo. Continuo me sentindo cansado, então mais tarde irei tirar um cochilo. Mas agora estou me sentindo melhor, porque dei esses passos.

Sei que alguns de vocês se sentem da mesma forma de tempos em tempos, talvez mais frequentemente do que querem admitir. Está tudo bem. Nós todos nos sentimos. Não somos máquinas, perfeitamente lubrificada e constantemente carregadas e prontas para disparar por todos os cilindros. Nós somos humanos, o que significa que nós falhamos, duvidamos e sentimos dor.

Isso passará.

Tradução: Lívia Pereira

 

0
Feb
03
2014

10 Ways Companies Drive Away Talent

source: http://www.forbes.com/sites/lizryan/2014/02/01/ten-ways-companies-drive-away-talent/

10 Ways Companies Drive Away Talent

If there’s one word that’s almost certain to appear somewhere on every business’s website, that word is talent. Companies of every size love to talk about talent! They can talk about talent all day long.

It’s easy to talk about talent on a website or in a recruiting brochure. It’s easy to say “We value talent more than anything!”

Talk is cheap. Attracting talented people into an organization and hanging onto them — now that’s another story.

Most employers, sad to say, do a better job of driving talented people away than reeling them in, both during the selection process and after the talented person comes on board as a new employee. They don’t do it intentionally, of course. They can’t see how their systems, policies and attitudes frustrate and repel great people. It starts with the ugly and tedious, Black Hole processes by which new employees get hired.

black-holes-belong-in-space-not-recruiting

Those Applicant Tracking Systems are horrible talent repellents, but most of their owners don’t know they serve the same function as massive, barking, teeth-bared attack dogs at the gate.

Fearful people who believe they don’t have any power in their job search will submit to those awful systems. Switched-on people with alternatives will quickly say “Yikes, I’m not sticking around here” and apply for a job somewhere else.

Bring-Yourself-to-Work-Poster-from-Human-Workplace-poster-size

Once a newcomer starts the job, there are more talent repellents waiting. Some of them are cultural. Some of them are operational.

Here are our Top Ten favorite Talent Repellents — ten ways employers drive brilliant people away from their doors.

ZOMBIE-FIED JOB ADS

put-a-human-voice-in-that-job-adIf your firm likes to talk about talent, first take a look at your company’s job ads. Most job ads do a better job of explaining what the candidate must have than of selling the job to a possible applicant! If your job ads don’t use a human voice and spend as much time selling the job as tossing around Essential Requirements, all the talent-talk is merely lip service. (Never seen a job ad with a human voice? Here’s one.)

BLACK HOLE RECRUITING PORTALS

If it takes a job-seeker an hour to complete all the mind-numbing fields in your Applicant Tracking System, the best people have already fled for greener pastures. If you’re a Recruiting Director or a curious CEO, ask your ATS vendor what the abandonment rate is on your recruiting site. How many people, in other words, start the process and then drop out of it? There’s your talent on the hoof, off to a friendlier welcome mat than you were able to lay out.

ROBOTIC COMMUNICATION

how-technology-killed-recruitingOnce you start to communicate with applicants in the selection pipeline, what kinds of messages do you use? The evil Passive Voice type (“Your application has been received”) is a surefire talent barrier. Why not say “Wow! Thanks for applying for a job with us. Give us a few days to look at our openings and your background. We’ll back in touch, either way!” Then, actually close the loop. None of this mealy-mouthed “If we want to call you, we will” stuff meets the Human Workplace test. You can do better than that.

INFLEXIBLE TIME OFF POLICIES

Once a new hire comes on board, he or she can only dive into the job whole-heartedly if the rest of his or life is attended to. A client of ours took a job and quit on the first day, during orientation, when she asked the orientation leader “How would it work if I have a court case three weeks from today, a half hour away in the city? I only need to leave an hour early.”

The orientation chickadee said “There’s no provision for that. You have to come in. You don’t get time off benefits for sixty days.”

The new employee, sensing danger, said “No problem, I’ll talk to my manager about it” and the orientation gal said “I’ve already noted your name and the date. You must change your personal schedule that day.”

The newbie bailed, her hiring manager called her to say “But I would have figured it out for you!” and the ex-employee said “Culture is everything. I’m not taking a job with a manager whose response to Godzilla process is to sneak around it.” If you don’t find your voice in a case like that, when will you ever do it?

HEAR NO EVIL FEEDBACK SYSTEMS

My science friends tell me that entropy is a feature of closed systems. When no new information comes in, things break down. So it is in corporations where there’s no upward feedback, such that executive leaders are spared the inconvenience of reacting to messy reality and permitted to bask in the awesomeness of their delusional plans undisturbed. If your employer doesn’t have robust, active, constant feedback mechanisms in place and an appetite for hearing about life on the street, you’re pushing away talent as we speak.

SCROOGETASTIC COMPENSATION PLANS

I was a corporate HR leader for decades. If you want to gauge an organization’s ability to snag and keep talent, look at its pay policies. When you knock the ball out of the park and your manager says “I’m really sorry, but I can only give you a two percent raise, because, you know, it’s our policy,” you’ve learned all you need to know about the importance of talent in your shop.

culture-o-meter

HEY, YOU STOLE MY IDEA

They say information is power. If people use information like a club to beat one another with, nothing good will happen for your clients or shareholders. If your organization is the kind where people keep quiet about their ideas to prevent them from being stolen, the universe wants you to hightail it out of there. If you’re in charge of a joint like that, you’ve got some trust-building work to do.

GODZILLA PROCESSES

nine-signs-bad-processSome processes are good, but lots of them are cumbersome, slow and stupid. Check out our Nine Signs of a Bad Process wheel below to see what I’m talking about. If people who come to work ready to rock it are prevented from doing their work because some fear-based process is gumming up the works, I guarantee you’re losing talent. People might be sitting at their desks when you walk by, but their hearts and brains are elsewhere.

CONSTRUCTIVE SNIPING

Leaders who can coach and inspire employees are one in a million, and thank God for them! Leaders who pick and quibble and snipe are people who fear that a Mojofied team might threaten their own petty power. If your environment is a snipe-fest, good people won’t stay. How can you get anything important done in a place like that?

thanks-a-million-for-following-liz-ryan

TRIUMPH OF THE BEST AND BROWN-NOSIEST

The last Talent Repellent on our list is a culture that rewards brown-nosing and punishes honest dissent. Most of us have seen organizations like this, where Yes Men and Women are exalted and passionate people asking tough questions are silenced. Life is too short to work in a place like that. The world is too big, there are too many meaty problems to solve, and too many brilliant people for you to collaborate with in trust-based, forward-looking organizations for you to waste another femtosecond among Godzilla’s handlers.make-your-own-human-workplace-badge-Liz-Ryan-Live-images

In your job search and on the job, only the people who get you deserve you. Your gut knows the difference. Can you listen to it?

 

 

0
Feb
01
2014

5 dicas de sucesso do estagiário que virou presidente da IBM

Tags: ,

fonte: http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/5-dicas-de-sucesso-do-estagiario-que-virou-presidente-da-ibm

5 dicas de sucesso do estagiário que virou presidente da IBM

Rodrigo Kede, presidente da IBM no Brasil, cita alguns dos fatores que considera fundamentais para chegar ao topo da carreira profissional

São Paulo – Desde 2012 a IBM no Brasil conta com o presidente mais jovem da sua história. Mas isso não significa que Rodrigo Kede, de 40 anos, não tenha trilhado um longo caminho na empresa até chegar ao mais alto posto da companhia.

Graduado em engenharia mecânica pela PUC-Rio, ele entrou na IBM quando ainda estava na faculdade. “Comecei como estagiário em 1993”, contou a internautas esta semana, durante o bate papo online Na Prática, organizado pela Fundação Estudar.

Ou seja, foram mais de 20 anos de experiência de trabalho na IBM e, por isso mesmo, fica mais surpreso com sua pouca idade para um cargo tão importante quem é de fora. “Aqui na IBM, as pessoas foram me conhecendo e acabou sendo natural”, diz ele que aos 33 anos já era CFO da empresa.

Mas não foi só o tempo de casa que o levou ao topo, é claro. Aliás, ele conta que esse nunca nem foi o seu objetivo maior de carreira.“Todo mundo quer crescer, ganhar dinheiro, mas, logo que me formei, minha cabeça era muito mais focada em desenvolvimento do que o pensamento de chegar nesse cargo ou naquela função”, diz.

E, por isso que deu certo, na opinião dele. Confira quais as regras que ele seguiu ao longo da sua carreira de sucesso e que podem servir como inspiração para muitos outros profissionais:

1 Sair sempre da zona de conforto

Acomodação, conforto e crescimento definitivamente não andam juntos, afirma Kede. “Tem que sempre estar fora da sua zona de conforto para crescer e progredir”, diz.

As etapas da sua trajetória confirmam que ele sempre seguiu esta regra. Pela IBM, trabalhou nos Estados Unidos, comandou divisão na América Latina, trabalhou com as regionais da Ásia, passou pelas áreas financeira, de operações e de negócios.

“Uma companhia que fatura 100 bilhões de dólares ao ano, tem 400 mil funcionários em 170 países dá essa chance de quase trabalhar em outra empresa estando na mesma”, diz.

2 Conectar-se com as pessoas dentro da empresa

As temporadas internacionais de trabalho pela IBM foram fundamentais para o sucesso, segundo Kede. E o networking é parte importante nesse processo. Por meio dele, as pessoas passaram a conhecer o seu trabalho e a confiar nele também.

“Além de conhecer outra cultura e trabalhar com coisas diferentes, tive a chance de me conectar com pessoas da companhia e isso me abriu várias portas e acelerou minha carreira”, conta.

3 Recursar-se a aceitar frases como: “isso não dá pra fazer”, “é muito complicado” , “ninguém nunca fez”

Sua filosofia de carreira sempre foi a de correr atrás das coisas. “Acredito plenamente que para ter uma carreira de sucesso é preciso sempre não aceitar o inevitável. Não consigo aceitar situações e pessoas dizendo que não dá pra fazer, que é muito complicado, que ninguém nunca fez”, conta.

4 Identificar-se com valores e pessoas dentro da empresa

A trilha de sucesso na IBM também relacionada à identificação com pessoas e com o propósito da companhia, segundo Kede. Foi isso que o motivou a continuar trabalhando e a recusar um sem-número de propostas de outras empresas.

“Fiquei na IBM porque gostava muito das pessoas. Gosto do propósito que é ligado ao desenvolvimento da sociedade”, diz.

5 Errar, aprender e corrigir

Impossível só acertar. Mesmo a mais bem sucedida carreira coleciona alguns tropeços. “Tem dia que volto para casa e penso que devia ter feito algo diferente.”, diz Kede. De acordo com ele isso é normal. “Você erra, aprende e corrige”, explica.

0
Nov
20
2013

11 habilidades que o mercado exige e a faculdade não ensina

fonte: http://revistaalfa.abril.com.br/estilo-de-vida/carreira/11-habilidades-que-o-mercado-exige-e-a-faculdade-nao-ensina/

Diploma na parede e notas elevadas no boletim nem sempre são garantia de sucesso11 habilidades que o mercado exige e a faculdade não ensina

Diploma na parede e notas elevadas no boletim nem sempre são garantia de sucesso

Talita Abrantes, de EXAME.COM

Sair da formatura com notas elevadíssimas em todas as disciplinas não é garantia de que o recém-formado seja um excelente profissional. Ao contrário.

Especialistas consultados são unânimes ao afirmar que entre os conhecimentos compartilhados nas universidades brasileiras e o que o mercado de trabalho exige para o crescimento na carreira há uma grande lacuna. E não estamos falando apenas de preparo técnico.

“Faltam aquelas competências que os americanos chamam de “soft skills”, como comunicar-se bem, avaliar o que cada um é capaz, montar e motivar uma equipe, além de uma série de outras coisas que levam à uma performance melhor”, diz Armando Dal Colletto, diretor acadêmico da Business School São Paulo.

1- Ser multicultural (na prática)
Fora a possibilidade de ter um intercambista na turma ou estudar por um período em uma universidade estrangeira, poucas são as iniciativas oficiais de muitas universidades por aí para colocar os alunos em contato direto com diferentes culturas.

No mercado de trabalho o cenário é outro: o chefe pode ser coreano, o colega da mesa ao lado, espanhol, a empresa parceira, indiana e o cliente, chinês. A falta de profissionais qualificados no país, a internacionalização das empresas brasileiras e o desembarque de grupos globais por aqui aproximou a rotina corporativa do cenário de Babel.

E inglês fluente não é tudo. De detalhes culturais para negociar melhor até gestos pequenos que contribuem para um boa convivência: “É preciso um entendimento das diversidades”, afirma Dal Coleto.

2- Trabalhar em equipe
Não se engane: os tradicionais trabalhos em grupos da faculdade quase não preparam ninguém para atuar em uma equipe. Motivo? “Quando organizam os grupos de trabalho, os alunos escolhem seus amigos, pessoas com quem se identificam e, no mínimo, a partir de pontos que os aproximam”, diz Casagrande.

Na vida profissional, a história é diferente. Ninguém (exceto o próprio chefe) escolhe com quem vai trabalhar. E, ao contrário da tônica típica dos grupos de faculdade (em que as pessoas tendem a ser parecidas), para uma equipe dar certo no trabalho é essencial que seja composta por pessoas com perfis complementares e, portanto, diferentes, afirma o especialista.

“E, além de tudo, os alunos não aprendem a compartilhar ideias: Para facilitar a a própria vida, dividem tarefas”, diz Casagrande.

3- Fazer networking
Seja por ficar centrado no próprio círculo de amigos e até por uma questão cultural, a faculdade raramente desmistifica a capacidade de fazer networking ou expandir sua rede de contatos profissionais.

“As pessoas têm vergonha de se aproximar dos outros com uma segunda intenção”, diz Gustavo Furtado, fundador da Tricae. E as universidades quase nunca criam meios para que esta visão seja mudada. “Nos Estados Unidos, em todo e qualquer evento as pessoas são estimuladas a se apresentar e falar a sua história”, diz.

4- Ser interdisciplinar
Na faculdade, as disciplinas até podem ser apresentadas em dias ou semestres diferentes. Mas, na rotina corporativa, o conhecimento adquirido de cada uma delas deve ser usado de forma integrada – algo que, infelizmente, o ensino tradicional ainda não sabe manejar.

“As pessoas aprendem a resolver problemas de forma separada e, de repente, precisarão resolver todos estas questões em um problema só”, diz o coach educacional Renato Casagrande.

5- Falar em público
“Nas apresentações de trabalho, geralmente, só fala quem já tem boas habilidades de comunicação. O mais analítico tende a não falar”, diz Joseph Teperman, CEO da Flow. E, na carreira, apresentar-se em público é quase um requisito básico em todas as carreiras – mesmo que seja para uma plateia composta apenas por seus chefes.

6- Como escolher a carreira
A decisão por qual curso superior seguir é apenas o primeiro passo em direção a escolha da carreira que é mais coerente com você. Assim que o diploma é entregue na colação de grau é que começam as verdadeiras escolhas decisivas para a trajetória profissional.

O problema é que a faculdade ensina pouco para este momento. “Não há parceria com as empresas ou consultorias de recrutamento. O profissional sai da faculdade sem saber onde estão e quais são as principais oportunidades do mercado”, diz Furtado, da Tricae.

Muitas vezes, sem saber muito bem qual rumo seguir. “A pessoa acaba seguindo a carreira daquele primeiro estágio que ela conseguiu ou parte para um jogo de tentativa e erro”, diz Teperman.

7- Liderar e gerir pessoas
Exceto por quem se aventura em uma empresa júnior, centros acadêmicos, atléticas ou outros movimentos estudantis, raras são as chances que um graduando tem para treinar a arte de liderar uma equipe. E isso demanda inteligência emocional, resiliência, capacidade para delegar e motivar pessoas. “Tem uma parte da rotina do executivo, que nem um curso de pós ajuda”, afirma Maurício Trezub, CEO da Ciashop.

8- Contratar
“Contratar pessoas para trabalhar com você não é a mesma coisa que convidar um colega para fazer um trabalho”, diz Maurício Trezub, CEO da Ciashop. E muita gente só descobre o tamanho deste desafio quando tem que recrutar pela primeira vez.

“A ajuda, muitas vezes, vem de um superior imediato”, diz Teperman. Mas nem sempre aparece. “Muitos acham que as únicas pessoas boas são aquelas que são espelho delas em vez de pessoas com características complementares a dela”, afirma.

9- Negociar
Nas estruturas tradicionais que a maioria dos cursos de graduação estão assentados há pouco espaço para que o aluno tenha voz e, consequentemente, aprenda a negociar. No máximo, as discussões e os acordos são fechados dentro dos grupos de trabalho – feitos, geralmente, com pessoas parecidas. “Não se aprende a vender ou comprar uma ideia. As pessoas chegam muito ingênuas no mercado”, diz Teperman.

10- Ler ambientes
No mundo corporativo é preciso ser autentico, mas também é essencial se adequar. “Antes de se soltar é importante entender qual é a cultura daquela área para, então, vestir a máscara corporativa”, diz Teperman. Na faculdade, esta adequação raramente é uma exigência. “Se você era da turma da frente nunca foi obrigado a sentar com a turma de trás”, afirma.

11- Portar-se em uma reunião
“As empresas estão mais participativas e menos patriarcais. Com isso, os mais novos são envolvidos nas reuniões desde cedo”, afirma Teperman. Seja por não saber ler ambientes direito, negociar ou falar em público, poucos recém-formados estão prontos para encarar esta missão.

2
Oct
25
2013

8 dicas para você dar um nome para sua empresa

Fonte: http://blogsebrae.com.br/index.php/8-dicas-para-voce-dar-um-nome-para-sua-empresa/
Pode parecer simples, mas dar nome a um negócio é um trabalho complexo. A partir do momento que você o define, você passa a ter uma nova identidade, uma nova marca. Se a escolha foi certa ou errada, você com certeza vai descobrir com o tempo, mas há alguns macetes básicos que você pode (e deve) usar para correr menos riscos.

Confira a lista abaixo e mãos à obra.
1 – Prefira nomes curtos – nomes curtos são mais fáceis de memorizar e uma marca se torna forte quando é lembrada pelo consumidor.

2 – Escolha um nome fácil de pronunciar – isso ajuda a localizar a marca na web, por exemplo. Outra dica interessante é investir em nomes que começam com uma letra do início do alfabeto. Assim quando sua empresa entrar numa lista (que gerlmente estão em ordem alfabética) você ficará no topo.

3 – Não copie o concorrente – nomes parecidos confundem o consumidor e podem gerar complicações judiciais.

4 – Evite nomes muito comuns – eles não distinguem a marca das demais empresas existentes no mercado.

5 – Não use seu nome – embora seja uma forma de personalizar o negócio, se a empresa for vendida, ou falir, seu nome ficará associado a ela.

6 – Evite nomes que façam sentido só para você – para ter um maior alcance, ele deve ser auto-explicativo e ser coerente com o propósito comercial da empresa.

7 – Registre a marca – faça uma consulta previa no INPI e certifique-se de que a marca está disponível para ser usada e registrada.

8 – Registre o domínio – faça uma busca na internet e cheque se não há outra empresa com mesmo nome.

Fonte: estadão.com

2
Oct
22
2013

Congelando painéis no Excel

Parece ridículo, mas eu estava com dificuldades de congelar os painéis numa planilha no Excel. Tentei de diversas formas, e não estava obtendo o resultado esperado.

Há 3 opções no menu do Excel. Congelar/Descongelar Painéis, Congelar Linha Superior, Congelar Primeira Coluna. E eu queria congelar a primeira linha e as duas primeiras colunas.

Opções de congelamento

Ou seja, na exemplo acima, eu queria que as colunas A e B ficassem fixas à medida que eu rolasse a barra de rolagem horizontal, e que a linha 1 ficasse fixa à medida que eu rolasse a barra de rolagem vertical.

Então, depois de um pouco de pesquisa e de ver que as opções Congelar Linha Superior e Congelar Primeira coluna não me serviam, vi que para fazer o que eu queria, bastava eu escolher a opção Congelar Painéis na primeira Linha vs Coluna do que eu queria que não ficasse fixo.

excel2

No caso, na primeira Linha vs Coluna do conteúdo da minha tabela, que no exemplo, é o a célula C2.

 

 

0