May
13
2011

Rio, o filme

rioHoje assisti o filme Rio. Pessoas comentaram que o filme era legal, e então achei que seria interessante assistir. E eu tive duas impressões sobre o filme, uma boa e outra ruim.
A parte boa é que o filme retratou uma realidade muito triste da qual fazemos parte pela nossa biodiversidade, que é o comércio de animais silvestres. É fato que temos um problema muito grande, onde muitos animais são caçados, capturados e vendidos no mercado negro. Começa ruim pelos maus tratos na captura e no manuseio. Depois eles ficam muito tempo sem nenhum cuidado, o que acaba matando muitos animais. E por último, quem compra muitas vezes nem sabe o que está fazendo, e o animal acaba morrendo mais tarde. Infelismente vemos isso várias vezes, na televisão, nos jornais, e é muito difícil combater, pois há muitos caminhos para contrabandear os animais. Como controlar isso? Como fiscalizar? E acaba sendo um dinheiro meio fácil, pois a pessoa precisa apenas ir até a mata e capturar os animais, assim como é retratado no filme.
Mas apesar de mostrar a realidade sobre o contrabando de animais, me deixou um pouco triste ver a forma como o Brasil é apresentado no filme. Não é um filme brasileiro, e acho que todos temos o direito de expressar nossas opiniões. Me deixou triste o fato de que as pessoas de fora pensam que o Brasil tem muito roubo, parece muito pobre e só pensa em festa. No filme há bastante destaque para a favela. Tudo bem que os passáros são levados para lá, mas o filme se passa quase que todo dentro da favela. Além de mostrar um aeroporto sem nenhum tipo de controle, onde qualquer pode simplesmente decolar.
Sobre a questão das festas, o filme se passa durante o carnaval. E no filme todo mundo está só festando, pensando no carnaval, e a cidade inteira para por isso. É claro, é um período de muita festa e todos sabemos que todo os envolvidos se dedicam muito antes e durante o carnaval. Mas no filme a impressão que tive é que nada mais importa. O que não é exatamente verdade. Eu não gosto muito de carnaval, mas admito que é muito trabalho, e admiro todos que se empenham muito para tornar tudo aquilo real.
E a parte que me deixou indignado de verdade foi que se você estiver no Brasil você será roubado. Até os macacos roubam no filme. E isso também não é completamente verdade. Temos problemas com roubos, e nem estamos perto de ser um país com uma taxa de criminalidade baixa e aceitável. Mas a impressão do filme sobre o assunto é que você terá problemas aqui. E isso não foi algo que eu esperava ver no filme dessa forma.
Bom, como disse, acho que todos temos o direito de opinar e expressar nossas opiniões, e respeito a forma como eles retrataram o Brasil no filme. E de verdade eu gostei do filme e recomendo que assistam. O lado negativo que citei não me fez desgostar do filme. Achei o filme muito bacana. O que aconteceu foi que esse ponto negativo me fez refletir: essa é a imagem que eles fazem dos brasileiros? O que temos feito que nos deixou com a imagem tão ruim? E o que temos que fazer para melhorar essa imagem?
Gostei muito do filme e recomendo. Mas reflitam também sobre o que o filme retrata. A questão dos roubos, da pobreza, de que carnaval é tudo e nada mais importa, e principalmente sobre a questão do contrabando de animais, algo que deveria ser levado muito mais a sério.

Ps: o passarinho bate no transformador, não vira torrada e ainda desliga a energia do Rio de Janeiro inteiro? Quem foi que fez essa instalação elétrica mal feita? (risos)

One Response to “Rio, o filme”

  1. realmente foi o mesmo que sinti

Leave a Reply